A História do Android

A história da versão do sistema operacional móvel Android começou com o lançamento da versão alpha em novembro de 2007. A segunda versão comercial, o Android 1.0, foi lançado em setembro de 2008. Está em desenvolvimento corrente pela Google e Open Handset Alliance, e o sistema operacional recebeu uma série de atualizações desde o seu lançamento original. Essas atualizações geralmente corrigem erros e adicionam novas funcionalidades.

Desde abril de 2009, as versões Android foram desenvolvidos sob um codinome e lançadas em ordem alfabética: Alpha, Beta, Cupcake, Donut, Eclair, Froyo, Gingerbread, Honeycomb, Ice Cream Sandwich, Jelly Bean, KitKat, Lollipop, Marshmallow, Nougat e Oreo.

Além disso, a partir do Android 1.5 (Cupcake), que foi lançado em 30 de abril de 2009, foram lançados apenas versões com nomes de doces. A Google também coloca uma estátua em sua sede, ao lançamento de cada versão, em que o famoso "robôzinho" está acompanhado do doce, a qual a versão Android se refere.

Android 1.0 (ainda sem apelido)
Primeira versão comercial do sistema operacional, lançada em 23 de setembro de 2008. Já possuía aplicativos do Google e vários outros recursos básicos, mas que na época eram inovadores, como um Media Player, navegador e suporte a Wi-Fi e Bluetooth.

Ele já tinha acesso ao Android Market, que mais tarde seria renomeado para Google Play, para download de aplicativos.

Android 1.1 (sem apelido)
Primeira atualização do sistema, lançada em 9 de fevereiro de 2009, corrigiu falhas e bugs da versão 1.0 e não trouxe grandes inovações. Entre as novidades, estão o detalhamento e exibição de reviews de locais quando o usuário faria uma busca no Maps e melhorias na interface para realizar chamadas.

Android 1.5 (Cupcake)
Foi a primeira versão do sistema operacional a receber um apelido carinhoso de sobremesa, que virou padrão daí em diante. Lançada em 27 de abril de 2009, ela teve a inclusão dos Widgets, que até hoje são marca registrada do sistema e gravação e reprodução de vídeos em formato MPEG-4 e 3GP.

Também incluiu transições de telas animadas e melhorias no teclado, que passou a funcionar com o celular na vertical e horizontal, suportar palavras customizadas pelo usuário e permitir instalação de teclados desenvolvidos por terceiros.

Android 1.6 (Donut)
A versão foi lançada em 15 de setembro de 2009 e trouxe suporte à resolução 800x480 e a inclusão de uma caixa de buscas já na tela inicial, para facilitar pesquisas internas e na web. Também teve melhorias em acessibilidade e a inclusão de um sistema de síntese de voz.

Também trouxe mais facilidade de uso para o Google Play, possibilitando a inclusão de screenshots de aplicativos.

Android 2.0 a 2.1 (Eclair)

A “bomba de chocolate” foi lançada em 26 de outubro de 2009 e marcou a primeira atualização radical do sistema operacional móvel do Google. Trouxe uma nova interface, velocidade de hardware otimizada e suporte ao HTML5 no navegador.

O sistema ainda apresentou a possibilidade de inclusão de várias contas no aparelho, para sincronização de contatos de várias fontes diferentes, além de trazer suporte ao protocolo de e-mail Microsoft Exchange. As atualizações posteriores apenas trouxeram correções de bugs.

Android 2.2 a 2.2.3 (Froyo)

Lançada em 10 de maio de 2010. A versão foi marcada por várias novidades que rodavam “sob o capô” do sistema e praticamente eram invisíveis ao usuário comum, com otimização de velocidade, memória e desempenho. Trouxe a possibilidade de transformar o celular em um hotspot de Wi-Fi e instalação de aplicativos em cartões de memória removíveis.

As atualizações posteriores trouxeram apenas correções de falhas de segurança e bugs menores.

Android 2.3 a 2.3.7 (Gingerbread)

Foi a versão mais popular do Android até pouco tempo, e também mais duradoura, presente até hoje em dispositivos mais baratos. Foi lançada em 6 de dezembro de 2010 e trouxe interface renovada e simplificada e suporte a resolução HD e tecnologia NFC.

Também passou a ter suporte nativo a sensores como barômetro e giroscópio e a aceitar múltiplas câmeras em um mesmo dispositivo. Assim, as câmeras frontais passam a se popularizar.

Android 3.0 a 3.2 (Honeycomb)

Foi o único sistema operacional desenvolvido para tablets, lançado em 22 de fevereiro de 2011. Sua nova interface “holográfica” foi otimizada para este tipo de dispositivo. Ele trouxe melhorias de câmera e simplificação de multitarefas e suporte a processadores com múltiplos núcleos. A navegação na internet também foi melhorada, com a novidade do modo incógnito. O sistema também passou a permitir a encriptação de todos os dados do usuário.

A maioria das Smart TVs com o sistema Google TV utilizava uma versão modificada do Honeycomb 3.2.

Android 4.0 a 4.0.4 (Ice Cream Sandwich)

Lançado em 19 de outubro de 2011, a versão trouxe para os smartphones os botões virtuais disponíveis nos tablets com Honeycomb, abolindo a necessidade de teclas físicas nos dispositivos. Apresentou o Android Beam, que permitia o envio rápido de arquivos por aproximação de aparelhos, por meio de NFC.

Também incluiu a possibilidade de acessar aplicativos diretamente da tela de bloqueio e desbloqueio por meio de reconhecimento facial. O Chrome passou a aceitar navegação em abas (até 16 abas simultâneas), e o sistema trouxe editor de fotos nativo.

Android 4.1 a 4.3 (Jelly Bean)

O Jelly Bean Foi lançada em 9 de julho de 2012 e trouxe uma interface renovada e mais elegante e notificações expansíveis. A edição também trouxe o suporte ao Android Beam via Bluetooth.

Já a 4.2 incluiu a tecnologia Photo Sphere, para produção de imagens em 360º e trouxe a possibilidade de realizar gestos na tela de bloqueio para acessar rapidamente a câmera do celular.

A 4.3 teve outras alterações pequenas, mas uma importante foi a possibilidade de uso do botão do volume para a câmera, nos casos de aparelhos com o Android puro. Foi melhorado o Bluetooth, o teclado e implantados perfis restritos, para evitar que crianças façam compras com o cartão do pai sem permissão, por exemplo.

Android 4.4 (Kit Kat)
Após recente acordo com a Nestlé, o novo sistema Android leva o nome de um dos doces mais famosos da marca. Esse acordo prevê ainda campanhas de marketing em conjunto, com vale-brindes de aparelhos Nexus 4 Nexus 5 e de conteúdo na Play Store.

4.4.2 (3)
4.4.2(K)                               15 de janeiro e junho de 2014
4.4.4 



Android 5.0/5.1 - Lollipop
O Android 5.0 Lollipop foi anunciado em Julho e lançado oficialmente em 3 de novembro de 2014 pela Google. No dia 9 de março de 2015 foi lançada a versão 5.1.

O Lollipop traz diversas novidades e uma nova política visual, intitulada de Material Design.



VersãoAPIData de lançamentoCaracterísticas ( e novidades )
5.0
5.0.1
5.0.2
213 de novembro de 2014(5.0.x)
  • Presença do Material Design, que deixa apps mais chamativos e bonitos;
  • Novos efeitos de toque e de transição;
  • Sistema muito limpo e fluido;
  • Novo modo de economia de bateria;
  • Barra de status dupla;
  • Tela de bloqueio que exibe as notificações;
  • Mudança na visualização da barra de status e nos botões virtuais;
  • Mais segurança;
  • Possibilidade de múltiplos usuários, parecido com o Windows.

5.1
5.1.1
227 de julho de 2015(5.1)
14 de setembro de 2015(5.1.1)
  • WiFi e Bluetooth ajustável pela barra de notificações;
  • Maior proteção contra roubo e perda;
  • Melhoria no modo de prioridade;
  • Configurações de sons e volumes mais funcionais;
  • Vários chips de operadora suportados por padrão;
  • Chamadas de alta definição por padrão.

Android 6.0 - Marshmallow
Android 6.0 "Marshmallow" foi anunciado com o codinome "Android M" durante a Google I/O em 28 de maio de 2015, para os smartphones Nexus 5 e Nexus 6, o tablet Nexus 9 e o set-top box Nexus Player com o número de compilação MPZ44Q. A terceira prévia de desenvolvedor (MPA44G) foi lançada em 17 de agosto de 2015 para os dispositivos Nexus 5, Nexus 6, Nexus 9 e Nexus Player e foi atualizada para a versão MPA44I que trouxe correções relatadas para os perfis do Android for Work.



VersãoAPIData de LançamentoCaracterísticas e novidades
6.0235 de outubro de 2015
  • Now on tap: recurso que contextualiza o Google Now nos aplicativos com um toque no botão home;[1]
  • Modo Doze: recurso que economiza a bateria do dispositivo automaticamente quando em stand-by;[2]
  • Gaveta de aplicações na vertical, com busca alfabética;[3]
  • Barra de busca de aplicativos na gaveta de aplicações e destaque para aplicativos favoritos;[4]
  • Suporte nativo para leitores de impressão digital;[5]
  • Melhorias para compartilhamento de conteúdo entre aplicativos;
  • Modo Não Perturbe;
  • Links para apps para definição de abertura padrão de links em seus respectivos apps;
  • Suporte para pastas de apps grandes, com páginas;
  • Suporte para autorização de permissões de aplicativos sob demanda;
  • Suporte para USB Type-C;
  • Backup e restauração automática no Drive para dados e aplicativos;
  • Modo de tela 4K para apps;
  • Adaptação de memória externa (SD cards) como parte da memória interna;
  • Suporte para MIDI em instrumentos musicais;
  • Suporte experimental para visualização em multi-janela (habilitável somente em aparelhos rooteados).

6.0.1237 de janeiro de 2016
  • 184 novos emojis e mudanças para 48 emojis existentes

Android 7.0/7.1 - Nougat
O Android 7.0 "Nougat" , com o codinome "Android N" foi lançado oficialmente em 2016, no dia 22 de agosto. Até agora, na lista, poucos vão receber o Android N, comparando com o Marshmallow.



VersãoAPIData de lançamentoNovidades e aprimoramentos
7.02422 de agosto de 2016
  • Encriptação nativa;
  • Fim da tela "otimizando apps ... de ...";
  • 72 novos emojis;
  • Tecnologia Vulkan;
  • Controle manual dos níveis das notificações;
  • Novo modo, a "Realidade Virtual";
  • Aprimoramentos no Launcher Google Now;
  • Tamanho da interface e fonte;
  • Smartphones encriptados vão funcionar mesmo após reiniciação inesperada;
  • O "Mono Play", criado para deficientes auditivo;
  • API JobScheduler tornará seu smartphone mais rápido;
  • Parâmetros do sistema mais esperto;
  • Responda mensagens pela barra de notificação
  • Menu "hambúrguer" nas configurações;
  • Projeto Svelte;
  • Função de multi-janela;
  • Novo menu de notificações;
  • Novo menu de aplicativos;
  • Informações de emergência;
  • "Doze" aprimorado;
  • Biblioteca OpenJDK, em vez de JAVA;

7.125

Android 8.0/8.1 - Oreo
A nova versão do Android, chamada de Android Oreo, foi lançada dia 21 de agosto de 2017.





VersãoAPIData de lançamentoNovidades
8.02621 de agosto de 2017
  • O relógio e data na tela de bloqueio estão menores.
  • Agora no Android Oreo, temos um novo easter egg: um polvo que podemos interagir ao tocar na tela
  • Ficou mais fácil acompanhar o consumo de bateria por parte dos aplicativos e também pelos próprios serviços do Android.
  • O recurso “Conversão de texto em fala”, ganhou melhorias, como o suporte a outros idiomas além do nativo do sistema.
  • O Google Assistente foi introduzido como o assistente virtual padrão no Android Oreo.
  • O espaço que havia entre a tela de atalhos do sistema e as notificações foi removido, deixando tudo em uma página só.
  • O valor da porcentagem da carga da bateria na barra de status, agora está em negrito como é visto no relógio
  • Ícones do sistema, agora estão padronizados.

8.127
Android 9.0 - Android P
No ano em que o Android completa 10 anos, o Google removeu os sinais da idade de seu sistema operacional para smartphones e incluiu na nova versão uma série de truques novos.

Eles tornam o Android P:

mais esperto: há inteligência artificial onde quer que você olhe;
mais simples: você vai procurar e não achará os tradicionais botões digitais no rodapé do aparelho, mas gestos de deslizar sobre a tela tem de monte;
e mais preocupado em te deixar longe do celular: seja para não ver notificações indesejadas ou para deixar de lado configurações repetitivas.

Algumas das 10 maiores novidades do Android P. Veja abaixo:

1) Novos gestos de controle
Os botões virtuais que ficavam no rodapé da tela foram substituídos por uma série de gestos de controla.

Se a tela for rolada para cima, todos os apps abertos aparecem, um ao lado do outro -- antes, era preciso apertar um botão, que mostra os apps um acima do outro.

O único botão remanescente foi o Home. Para abrir o menu que reúne os aplicativos, pressioná-lo e deslizá-lo de baixo para cima.

2) Volume
Os botões de volume podem elevar ou reduzir o áudio do aparelho no Android P, mas, diferentemente das outras versões do sistema, eles agora acionam um painel lateral.

Com ele, é possível aumentar ou diminuir o volume deslizando o dedo sobre a tela para cima ou para baixo, respectivamente Nesse mesmo menu, é possível silenciar o aparelho e colocá-lo apenas para vibrar ao receber notificações.

3) Notificações
O Android P também permite que o usuário interaja com aplicativos sem sair do menu de notificações. Se o smartphone receber uma mensagem, é possível respondê-la a partir dali sem que o respectivo app de bate-papo seja aberto.

4) Giro da tela
Se nas versões anteriores do sistema operacional, a rotação da tela tinha que ser liberada ou travada no menu principal. no Android, o giro da tela é autorizado só depois de a tela ter sido colocada na horizontal. Quando isso acontece, surge um ícone em um dos cantos. Ao pressioná-lo, a tela gira para para se adequar ao posicionamento do celular.

5) Não perturbe
O novo Android também ganhou um botão de "Não perturbe", no menu de notificações que silencia todas as vibrações que sinalizam a chegada de algum aviso de aplicativos.

Há outra forma de o celular ficar quietinho: ao virá-lo sua tela para baixo, as vibrações e os toques cessam.

6) Interação entre apps
Com o Android P, alguns aplicativos passarão a dar as caras quando outros serviços estiverem em uso. Isso porque o sistema usará aprendizado de máquina, um tipo de inteligência artificial que aprende com o usuário. Com isso, ele tentará antever qual a próxima ação a ser tomada.

Ao digitar Uber ou Lyft na ferramenta de busca, por exemplo, um dos resultados exibidos será a sugestão de agendar corridas para trajetos frequentes.

O Android P tentará adivinhar ainda o que os usuários querem fazer ao selecionar um trecho de texto. Se o excerto pinçado for o nome de Taylor Swift, entre as opções do que fazer estará a de abrir o canal da cantora no Spotify.

Ao buscar pelo nome de um filme, o sistema vai sugerir apps que podem vender ingressos para alguma sessão de cinema.

7) Atalho no menu
O menu de aplicativos ganhou atalhos fixos, posicionados pela inteligência artificial do Android P de acordo com o uso dos diversos serviços instalados no celular. Por exemplo: é possível abrir o painel e se deparar com um ícone para ativar um trajeto recorrente no Google Maps.

8) Mais bateria
Para poupar energia, o Android passará a destinar menos energia a aplicativos pouco usados. O novo recurso conseguirá economizar até 30% de energia.

9) Brilha menos
O Android P entenderá como o usuário gosta de configurar o brilho da tela ao longo do dia para poder repetir esse padrão automaticamente sem precisar de novas intervenções.

10) Privacidade
Dentro das configurações do aparelho, um item mostrará quais apps usam recursos do celular que dão acesso a dados pessoais ou à intimidade do usuário, como microfone, câmera e localização. Assim, ficará mais fácil retirar essas permissões.
A História do Android A História do Android Reviewed by MultiMidia Info on 13:42 Rating: 5

MATÉRIA EM DESTAQUE ▼

Fotografa revela suas fotos antes e pós photoshop

Lilia Alvarado diz que recentemente compartilhou uma foto da qual tem muito orgulho no Instagram. As reações variaram de muito positivas p...

Matérias Recentes ▼

Mundo MS No You Tube ▼


MUNDO MS

Destaques dos Sites Mundo MS ▼

Navegue pela Data e encontre as Matérias em Ordem Cronológica ▼

Tecnologia do Blogger.